Loetz: Athletic Way, de Joinville, pede recuperação judicial - Economia - A Notícia

Versão mobile

Livre Mercado06/06/2017 | 06h01Atualizada em 06/06/2017 | 06h01

Loetz: Athletic Way, de Joinville, pede recuperação judicial

Processo foi distribuído à 3ª Vara Cível da comarca de Joinville e o juiz responsável pelo caso é Rafael Osório Cassiano.

A Athletic Way Comércio e Equipamentos para Ginástica e Fisioterapia, de Joinville, pediu recuperação judicial. O processo tem o número 030994315.2017.8.24.0038 e foi distribuído à 3ª Vara Cível da comarca de Joinville. O juiz responsável pelo caso é Rafael Osório Cassiano.

O advogado da empresa é Daniel Piccioli. A Athletic está no mercado há 30 anos. Nasceu como empresa de pequeno porte por iniciativa de Jaime Grasso, à época um jovem e arrojado empreendedor. A expansão dos negócios se deu de forma intensa ao longo das décadas.

O crescimento foi ainda mais forte quando decidiu mudar a fábrica de Joinville para a Zona Franca de Manaus, obtendo, então, as vantagens tributárias oferecidas pela sua nova localização. Grasso presidiu a Associação de Joinville e Região da Pequena Micro e Média Empresa (Ajorpeme) e, também, comandou Associação Empresarial de Joinville (Acij).

O site oficial da empresa informa atuação em variadas linhas de negócios: equipamentos de ginástica para uso residencial, com mais de 70 pontos de venda; equipamentos para instalação em condomínios, também atendendo a construtoras, hotéis e estúdios.

A Athletic produz, ainda, equipamentos de fitness da linha profissional, direcionados a academias e complexos esportivos. A sede e a área administrativa da companhia ficam em Joinville. Ainda segundo o site da própria empresa, há filiais em Brasília, São Luís (MA), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), João Pessoa (PB), Ipojuca (PE), Petrolina (PE), Teresina (PI), Natal (RN), São João do Meriti (RJ), Bauru (SP), Guarulhos (SP), São José do Rio Preto (SP), Votorantim (SP) e Aracaju (SE).

Foram as crescentes dificuldades financeiras que levaram a tradicional empresa joinvilense a entrar com o pedido de recuperação judicial. A solicitação é uma alternativa natural que empresas em dificuldades adotam para para buscar soluções no médio prazo.

O juiz do caso vai analisar a documentação e os argumentos consolidados nos autos do processo, com informações econômico-financeiras e explicações pertinentes a serem disponibilizadas ao juízo. Se o magistrado concordar com o pedido, a Athletic terá que apresentar um plano de recuperação à Justiça.

Este plano, então, deverá ser votado pelos credores, em assembleia a ser designada oportunamente. Atualmente, Duque, Douat Têxtil e Wetzel são empresas tradicionais de Joinville que estão em processo de recuperação judicial. 

A Notícia
Busca