Loetz: 'Temer perdeu todas as condições políticas e morais para continuar. Chegou a hora do contragolpe. Este, sim legítimo' - Economia - A Notícia

Versão mobile

Livre Mercado18/05/2017 | 11h29Atualizada em 18/05/2017 | 11h29

Loetz: 'Temer perdeu todas as condições políticas e morais para continuar. Chegou a hora do contragolpe. Este, sim legítimo'

Confira a análise do colunista sobre o momento político atual

Loetz: 'Temer perdeu todas as condições políticas e morais para continuar. Chegou a hora do contragolpe. Este, sim legítimo' EVARISTO SA/AFP
Foto: EVARISTO SA / AFP

Renúncia do presidente Michel Temer? Convocação de eleição indireta? Autorização para um processo de impeachment? A solução para o impasse político-institucional é o menos importante neste day after. Não que o formato, a ser manejado nos bastidores, seja irrelevante, mas neste primeiro momento a preocupação é com o "salve-se quem puder". 

Não há ninguém tranquilo. Nem em Brasília, nem em São Paulo — polos irradiadores nos campos político e econômico, respectivamente — como na nossa planície periférica ao centro das decisões nacionais.

 Aconteceu o óbvio: o mercado financeiro travou, o dólar avançou às alturas, os investidores se recolheram, o risco-país sobe, a incerteza generalizada domina a cena. Até mesmo no exterior, há perplexidade e temor.

Ninguém aguenta mais tanta corrupção e desfaçatez. O País vai pegar fogo. A economia sofrerá abalos. Será o efeito direto da publicação das gravações de conversa do presidente Michel Temer, autorizando calar Eduardo Cunha em meio ao mais gigantesco escândalo de corrupção da história do Brasil. 

Há exatamente um ano, Michel Temer governa o Brasil. Aos trancos e barrancos, dada sua baixíssima legitimidade para assumir o posto. Se Dilma era odiada pela elite, Temer perdeu todas as condições políticas e morais para continuar. Chegou a hora do contragolpe. Este, sim legítimo.

A resposta imediata à denúncia contra Temer veio do mercado financeiro. A Bolsa de Valores paralisou as as suas atividades já no início, na manhã desta quinta-feira, acionando o mecanismo de circuit breaker, num movimento de proteção contra quedas generalizadas das ações, dada a instabilidade aguda vivida no dia. O circuit beaker é ativado quando o índice geral da Bovespa cai 10%, ou mais. Na prática, significa uma parada nas negociações das ações, para que os investidores e operadores do mercado possam respirar e se reposicionarem. Na volta, o pregão apresentava a queda de "apenas" 9%, e o dólar já estava valendo R$ 3,409 exatamente às 10h50. Conversamos com empresários joinvilenses nesta manhã. Todos apreensivos, um tanto atônitos. 

A melhor frase a explicitar a percepção do momento vem do presidente do Sindicato da Indústria Plástica de Santa Catarina, Albano Schmidt:
 - Cautela e canja de galinha é o prato do dia. Para muita gente (especuladores de dólar e na Bolsa) é um prato cheio. Os próximos dias serão cruciais para se ter uma melhor avaliação.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJogo-treino entre reservas e time sub-20 marca o início da semana do JEC https://t.co/w4tcsebxAs #LeianoANhá 8 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCarreta bate em árvore e trânsito fica complicado na Expedicionário Holz, no Centro de Joinville https://t.co/aibwo3hSie #LeianoANhá 11 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros