Desemprego cresce 47% em Santa Catarina em relação a 2015 - Economia - A Notícia

Versão mobile

Economia22/11/2016 | 15h17Atualizada em 23/11/2016 | 08h41

Desemprego cresce 47% em Santa Catarina em relação a 2015

Apesar de ser o Estado com menor taxa,  há 74 mil desempregados a mais que no terceiro trimestre do ano passado

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta terça-feira pelo IBGE, revela que Santa Catarina continuou, no terceiro trimestre, com a menor taxa de desocupação do Brasil. Contudo, na confrontação com sua própria realidade, houve uma piora expressiva.

Foi registrado um crescimento de 47,2% do desemprego no Estado, na comparação entre o terceiro trimestre deste ano com os mesmos meses em 2015. São 74 mil pessoas a mais desempregadas. A taxa foi de 4,4% para 6,4%, a maior para o período da série histórica (desde 2012). 

Para o levantamento, são considerados ocupadas as pessoas que exerceram ao menos uma hora de atividade remunerada na semana de referência, ou seja, semana anterior à da entrevista do IBGE. Os desocupados são os que fazem parte da força de trabalho e estão efetivamente à procura de serviço. 

Grande Florianópolis bate recorde de desocupação, mas ainda tem menor índice do país

No país, o índice ficou em 11,8%, o maior da série histórica (para todos os períodos), conforme foi divulgado no dia 27 de outubro. São  12 milhões de desocupados no Brasil, 234 mil em Santa Catarina. 

Na comparação com o mês imediatamente anterior, houve uma leve melhora no Estado, de 6,7% -recorde de desocupação na série- para 6,4%. Contudo, os técnicos do IBGE explicam que os dois primeiros trimestres do ano tendem a ter índices maiores de desocupação, são uma espécie de ressaca do final do ano, quando a ocupação aumenta graças aos trabalhos temporários. Por isso, o paralelo mais adequado é com períodos iguais de anos diferentes.

Os dados de ocupação mostram que a economia ainda patina apesar de alguns números bons. O índice de confiança do empresariado catarinense, por exemplo, vem crescendo desde abril. O saldo de empregos da indústria (que leva em conta apenas trabalhos com carteira assinada) também registrou dados positivos em agosto (3014) e setembro (3550) após meses ruins. Outro vilão, a inflação vem perdendo fôlego. Mas tudo isso não tem sido o bastante para que as pessoas voltem a trabalhar e a consumir. O varejo catarinense recuou 4,1% em agosto.  

— Economia é expectativa. As pessoas estão cautelosas em consumir, pois ainda não têm certeza se estarão empregadas amanhã, se terão aumento etc. - diz o professor de Economia da UDESC Arlindo Rocha. 

Indústria de SC tem alívio em agosto

O professor de Economia da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) João Ricardo Costa Filho explica que o desemprego ficou mais forte somente agora porque o corte de pessoal aparece com mais força após outros sinais, como a redução de investimentos:

— Primeiro, a economia perdeu a capacidade de crescimento. Com isso, reduzimos a produção e entramos em recessão no segundo trimestre de 2014. Ao mesmo tempo, a inflação subiu e as empresas se viram no meio de uma pressão de custos e queda nas vendas. O investimento despencou e, finalmente, os empresários utilizaram o último recurso: demitir. Imagine que você comprime uma mola. Quando a solta, ela vem com força. O mercado de trabalho é assim. "Soltamos a mola" com o início da depressão brasileira e agora o desemprego tem vindo com força - diz Costa Filho.

Ainda de acordo com o levantamento, quase a metade das pessoas ocupadas em SC (49,3%) eram empregadas no setor privado, o maior número, empatado com São Paulo. A pesquisa ainda mostra que houve aumento no número de pessoas que trabalham por conta própria, de 21,2% em 2015  para 22,1% em 2016, considerando os meses de julho a setembro.

O rendimento médio dos catarinenses ficou em R$2.149, encolhimento 3,7% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, mas incremento 4,2% em relação aos três meses imediatamente anteriores. 

O IBGE passou a divulgar novas taxas dentro da PNAD Contínua, como o índice de subutilização da força de trabalho, que reúne desocupados, subocupados (pessoas ocupadas que trabalhariam mais se pudessem) e potenciais ocupados (estudantes, por exemplo). Para este dado, SC apresenta o menor número, 9,7%.

Desde 2014, o instituto publica a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional, em substituição à Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrangia apenas as seis principais regiões metropolitanas.




 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTransformador de cinco toneladas cai de carreta e bloqueia BR-376 https://t.co/YUAK9VyoVWhá 12 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoão Carlos Gonçalves é afastado do cargo da Câmara de Vereadores de Joinville https://t.co/UIXONjXnEjhá 16 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros