Claudio Loetz: 'Os executivos têm cada vez mais responsabilidades', diz profissional de recursos humanos - Economia - A Notícia

Versão mobile

Livre Mercado 21/11/2016 | 08h02

Claudio Loetz: 'Os executivos têm cada vez mais responsabilidades', diz profissional de recursos humanos

Adriana de Souza é doutorando e tem mais de 20 anos com bagagem no exterior

Claudio Loetz: 'Os executivos têm cada vez mais responsabilidades', diz profissional de recursos humanos Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Adriana atuou em consultoria global e é co-autora de livros sobre aspectos da área de RH Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

“Peguem a mochila, escutem os outros.” Estes são recados dados pela profissional de recursos humanos Adriana de Souza, ao longo de entrevista exclusiva concedida à coluna desta segunda-feira. Doutoranda com mais de 20 anos de bagagem no exterior, Adriana fala sobre o comportamento corporativo em tempos digitais.

Atuou em consultoria global, é co-autora de livros sobre aspectos da área de RH. Em entrevista exclusiva, ela mostra a importância das lideranças se abrirem a experiências multiculturais para evoluírem no atual mundo competitivo. Avisa que as transformações nas organizações mal começaram.

Quem é

Aos 17 anos, Adriana de Souza deixou a Consul (Whirlpool), onde era estagiária e, aprovada no vestibular, decidiu cursar psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis. Sempre em busca de novos desafios, rumou para a Bolívia, onde se juntou a um grupo interdisciplinar de especialistas dedicados a prestar consultoria em diferentes aspectos de processos de RH.

Trabalhou na PA & Partners e dirigiu equipes que realizaram trabalhos para mais de 200 empresas multinacionais de 35 países. Seguiu para a Espanha, onde evoluiu para o doutorado. Com mais de 20 anos de atuação no exterior, a profissional tem dois livros editados, focados em variados aspectos da área de recursos humanos. Em concurso da Federação Mundial de Recursos Humanos, ganhou o prêmio de melhor ensaio acadêmico deste ano em Istambul. A seguir, os principais trechos da entrevista:

A Notícia – Como você se define?

Adriana de Souza
– Sou uma migrante digital. Meu filho, sim, é um millenium, alguém contemporâneo com o meio tecnológico, típico da era digital. Nasceu nela. Aprendi a atuar e a viver com esta nova – e recentíssima – realidade, é claro. Profissionalmente, minha especialidade é a cultura organizacional e liderança nas organizações.

AN – Você ganhou prêmio mundial como acadêmica. Pode explicar um pouco?

Adriana
– Inscrevi-me como aluna de doutorado e ganhei recentemente o prêmio da Federação Mundial de Recursos Humanos (World Federation of People Managment Association), em Istambul, na Turquia. O texto vencedor é um ensaio sobre os desafios da força laboral. O trabalho tem o título Nativos digitais no comando: o mundo não será mais o mesmo.

AN – Foi fácil escrevê-lo?

Adriana
– Debrucei-me longamente sobre o tema. Escrevi e reescrevi. Quando pronto – eu achava que estava pronto (risos) – entreguei para o meu filho adolescente ler. Ele revisou muita coisa, criticou muito, rabiscou muito. Não imaginava que haveria tantas observações críticas. Isso me deu um certo desconforto, mas ele apresentou muitas ideias novas, apontou caminhos, mostrou o olhar natural do indivíduo digital. As modificações melhoraram demais o ensaio e, com o novo texto, ganhei o prêmio.

AN – Atualmente, o mundo é dirigido por gente que aprendeu a conviver com o digital, mas não é exatamente nascido usando smartphone ou tablet.

Adriana
– Tem razão. O mundo (empresas, universidades, países ainda) é comandado por quem nasceu antes da era digital.

AN – Há, no seu texto, uma analogia com um trabalho do (escritor) Peter Drucker. Explique isso.

Adriana
– Em um texto, o Peter Drucker diz que a verdadeira revolução veio com a invenção dos trens. Afirma que os 50 anos acumulados com a revolução industrial foram somente preparação para as mudanças que aconteceram nos cinco anos com as ferrovias. Parecido com o que temos assistido nas últimas duas décadas. As transformações acontecem e nos mudam cada vez mais velozmente.

AN – O profissional deve fazer o quê para se distinguir dos demais?

Adriana
– Acredito que o mais importante é cada um fortalecer as já conhecidas fortalezas, e agir para minimizar as deficiências. Entendo ser essa a melhor estratégia. Investir nas qualidades e competências e fazer treinamentos para melhorar o não tão bom. Treinamento é bem importante. Tenha curiosidade e procure por novos aprendizados.

AN – Os executivos devem ser pró-ativos, naturalmente. O que fazer nesse sentido?

Adriana
– Os executivos têm cada vez mais responsabilidades. E, além de atribuições técnicas, pertinentes ao seu trabalho e cargo, devem sair para conhecer outras realidades. Os executivos devem pegar a mochila e viajar pelo mundo. Olhar, ver e aprender com outras culturas tornou-se indispensável.

AN – Que características devem ter as empresas nesse mundo tão competitivo?

Adriana
– As empresas têm, entre outros, um compromisso básico para serem viáveis no médio e longo prazos. Falo da necessidade delas se conectarem às emoções dos seus funcionários. Há poucas décadas, se aguentava um chefe tirano nas organizações. Hoje, já nem se usa a expressão chefe. E tirano, nem pensar! A qualidade do relacionamento dentro do grupo – e do grupo com as lideranças – passa a ser elemento decisivo para o desempenho geral.

AN – Há vários rankings que avaliam empresas e falam de ambiente de trabalho.

Adriana
– Acredito muito no modelo adotado pela Great Place to Work. Mas é preciso compreender uma coisa bem importante: o ranking só é importante para as empresas fazerem seu marketing. O mais importante está nas possibilidades de transformação social, derivadas dos apontamentos que as pesquisas conseguem captar.

AN – Como ocorre a verdadeira transformação nas relações humanas, nos negócios e na vida corporativa?

Adriana
– Há um dado essencialíssimo. Precisa haver o efetivo processo de escuta do outro. Escutar, de verdade, os demais é absolutamente transformador. Escutar de verdade permite procurar outras verdades. As empresas têm uma obrigação: escutar o mercado, os seus funcionários, seus parceiros em qualquer instância. Assim, estarão mais preparadas para os enormes desafios que virão, sem dúvida.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  19/11/2016 | 09h01

Claudio Loetz: Liminar assegura movimentação no Porto de São Franscico do Sul apesar de operação padrão

Confira esta e outras notícias do colunista Claudio Loetz

Livre Mercado  11/02/2016 | 07h06

Claudio Loetz: Espaço Inovaparq, em Joinville, será inaugurado no dia 17

Localizado no Perini Business Park, iniciativa vai apoiar empresas na tomada de decisões e antecipar tendências para negócios com estudos realizados por professores e alunos

Livre Mercado 18/01/2016 | 07h04

Claudio Loetz: Havan terá terceira loja construída em Joinville

Planos da empresa é de instalar também uma loja em Praia Grande e outra em Jundiaí

Livre Mercado 16/01/2016 | 11h34

Claudio Loetz: As dores cotidianas

Livre Mercado 15/01/2016 | 07h07

Claudio Loetz: Novas regras do Minha Casa, Minha Vida afetam as cidades do Norte de SC

Principal mudança trata do valor máximo dos apartamentos ou casas a serem financiadas pela Caixa Econômica Federal

Livre Mercado 11/01/2016 | 07h04

Governo do Estado quer acelerar o cadastro de propriedades rurais em SC

Prazo termina no dia 5 de maio e, até agora, pouco mais da metade dos imóveis foram regularizados

Livre Mercado 09/01/2016 | 06h31

Balança Comercial de Santa Catarina tem déficit de US$ 4,96 bilhões em 2015

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou balanço nesta semana

Livre Mercado 08/01/2016 | 07h02

Perini reforça a segurança com instalação de novas câmeras de monitoramento

Complexo localizado na zona industrial de Joinville terá equipamentos que reconhecem as placas de veículos em apenas três segundos

Livre Mercado 06/01/2016 | 07h09

Celesc firma contrato de concessão com cinco usinas catarinenses por 30 anos

Assinatura do contrato ocorreu em Brasília, nesta terça-feira. Entre as usinas está a do Bracinho, localizada em Schroeder

Livre Mercado 05/01/2016 | 07h07

CDL de Joinville projeta crescimento de 10% nas vendas do comércio em janeiro

Para presidente da entidade, Luiz Kunde, a presença de turistas e a permanência de moradores na cidade têm contribuído para a perspectiva otimista neste início de ano

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHemosc de Joinville concentra a coleta de sangue no Norte até fevereiro https://t.co/2jdcNytUhPhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPM divulga distribuição dos novos policiais militares de Santa Catarina https://t.co/kDVclFOQRchá 7 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros