Como a queda da taxa básica do juro afeta a economia - Economia - A Notícia

Versão mobile

Fôlego financeiro19/10/2016 | 19h26Atualizada em 19/10/2016 | 19h41

Como a queda da taxa básica do juro afeta a economia

Banco Central anunciou nesta quarta-feira queda de 0,25 ponto percentual na Selic

Depois de quatro anos, o o Banco Central (BC) decidiu nesta quarta-feira por reduzir a Selic em 0,25 ponto percentual, deixando a taxa básica do juro em 14% ao ano. A expectativa do mercado era mesmo de queda. 

A aposta é que o anúncio do Comitê de Política Monetária (Copom) tenha iniciado um novo ciclo de baixa da taxa básica, na tentativa de recuperar o fôlego da atividade econômica, barateando o crédito e estimulando os investimentos no setor produtivo.

Veja como a queda divulgada pelo Copom afetará a economia:

Consumo

A inflação em tendência de queda aliada à redução do juro tende a tornar o crédito mais barato e, com isso, incentivar o consumo, mas se espera que demore um pouco para o consumidor sentir os benefícios na ponta. O consumo também depende de outras questões, como mercado de trabalho e renda.

Leia também:
Banco Central começa a abrir o torniquete do juro com cautela
Para 2017, expectativa é de que taxa básica de juro seja de até 11%

Aplicações financeiras

Seguem interessantes investimentos em renda fixa a taxas pré-fixadas. Apesar da expectativa de queda da Selic nos próximos, como a inflação também tende a cair, as taxas de rendimento seguem elevadas. CDBs, fundos de renda fixa, LCI e LCA são opções. Períodos de queda de juro também favorecem a renda variável, mas como a bolsa vem subindo muito, é necessário cautela.

Investimentos de empresas

Os investimentos produtivos das empresas (ampliações, novas unidades, compra de máquinas e equipamentos) tendem a reagir nos próximos meses. Juro em queda deixa menos atrativo colocar o dinheiro em aplicações ligadas à Selic, o que também é feito devido à recessão. Com a possibilidade de a economia reaquecer, as empresas voltam a pensar em investir na produção.

Nível de emprego

O desemprego avançando no Brasil. No trimestre encerrado em agosto, alcançou 11,8%, o equivalente a 12 milhões de desocupados no país. A queda no juro tende a incentivar a retomada da economia e, no médio prazo, contribuir para a melhora do mercado de trabalho.

Financiamentos

Com o início de um ciclo de corte na taxa de juro, os financiamentos tendem a ficar um pouco mais barato nos próximos meses. Hoje, estão em níveis recordes. Se isso acontecer, será mais um elemento a ajudar a retomada da economia, com crédito mais barato para empresas e consumidores. Outro fator que encarece o crédito é a inadimplência, causada pelo desemprego e queda da renda.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTrês pessoas morrem em acidente na BR-101, em Joinville https://t.co/l8OUqDJflmhá 21 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaUrgente: Três pessoas morrem em acidente na BR-101, em Joinville https://t.co/l8OUqDJflmhá 25 minutosRetweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros