Empresários apresentam reivindicações a deputados de Joinville na segunda-feira - Economia - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Livre Mercado06/11/2015 | 20h56

Empresários apresentam reivindicações a deputados de Joinville na segunda-feira

Questões como o não aumento de tributos, saúde e infraestrutura locais serão discutidas na Acij

Empresários apresentam reivindicações a deputados de Joinville na segunda-feira Leo Munhoz/Agencia RBS
Em 2014, deputados eleitos por Joinville estiveram reunidos com empresários na Acij Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

De tempos em tempos, é bom ouvir os nossos políticos. As oportunidades, em público, são poucas. Por isso mesmo, importantes. Nesta segunda-feira, teremos a chance de saber o que pensam e o que pretendem fazer no próximo ano — aliás, ano de eleições para o Executivo e — municipal.

A Associação Empresarial de Joinville (Acij) vai cobrar deles, na reunião aberta do conselho deliberativo, ação na defesa dos legítimos interesses da sociedade local. É claro que, como o ambiente das conversas é empresarial, o encaminhamento das demandas tem foco naquelas questões que mais angustiam os nossos empresários.

Nestes tempos difíceis, surge, abertamente, a reivindicação para o engajamento dos parlamentares para não haver mais nenhum aumento de tributos, em nenhuma esfera.
Saúde e infraestrutura também são prioridades entre as preocupações do empresariado e estão contemplados no texto. E lógico que infraestrutura, mobilidade local e duplicação de BR-280 estarão na agenda.

Leia mais colunas de Claudio Loetz.

O que se pede:
— A não aprovação de qualquer projeto que resulte em aumento de tributos, taxas ou alíquotas relativas aos mesmos.

— O apoio no pleito para que o governo do Estado assuma a folha de pessoal do Hospital São José, cuja contribuição para a saúde dos municípios da região Norte é bastante significativa.

— O apoio no pleito para melhoria da segurança pública no município, com o aumento do efetivo de policiais militares e civis, além de mais câmeras de videomonitoramento.

— O apoio à proposta de ampliação da presença de policiais militares na cidade em vez da implantação do Batalhão de Bombeiros Militares, à medida que a cidade já é atendida pela corporação de bombeiros voluntários.

— O apoio às ações do Executivo que contribuam para que as empresas superem o momento de crise econômica.

— O apoio à proposta que defende a priorização da duplicação da BR-280 entre as obras de infraestrutura do governo federal.
— O apoio ao pleito de retomada das obras de construção do campus Norte da UFSC.

— O apoio à proposta da Acij para abertura e duplicação da avenida Almirante Jaceguay, um novo acesso à cidade pela BR-101.

— O apoio à proposta da Acij de construção de um novo hospital de referência em Joinville, especialmente na área de oncologia.

Está claro que a maioria dos deputados vai assinar o compromisso com as causas expostas pela entidade empresarial centenária. Nenhum deles será insensato a ponto de descuidar de suas 'bases' e de seus apoiadores financeiros, exatamente em período pré-eleitoral e durante as campanhas.

A permanência das regras de financiamento eleitoral — que interessa aos atuais legisladores — impõe, a todos eles, um dever indiscutível: o de mostrar serviço e legislar a favor daqueles que os ajudaram a ocupar uma cadeira na Câmara de Vereadores, na Assembleia Legislativa, na Câmara de Deputados — e por aí afora. A cobrança por reciprocidade é natural.

Dirão todos que 2016 será um ano 'desafiador'. O que, na linguagem corporativa, é um eufemismo a indicar que os problemas vão ser enormes, que os governos têm pouco dinheiro e que os problemas tendem a aumentar. Isso todos sabem. E todos, políticos, empresários e população, estão no mesmo barco.

'Afundar juntos' (e aqui esta é uma expressão a demonstrar a preocupação para com o futuro de Joinville se a essência dos reclamos continuar engavetada) não será bom para ninguém. Mais uma razão para aumentar-se a pressão.

Sim, 2016 ainda será um ano muito difícil. Do lado dos políticos, por que é evidente a dificuldade deles produzirem os resultados esperados. Desde quando se elegeram, e soltaram fogos para comemorar as vitórias. Até o momento. Não é inépcia, nem pouco caso. É falta de poder. Do lado empresarial, porque o aprofundamento da recessão causa redução de receitas e da lucratividade, inibe investimentos, gera mais desemprego. Nesta situação, pedir auxílio a quem formula leis faz todo o sentido.

A luta para a melhoria das condições de vida em Joinville é dever de todos os que têm compromissos para com a cidade. É hora de saber quais os compromissos que os deputados têm. Não  basta a assinatura do documento. Será necessário que ajam no sentido de serem reconhecidos como representantes dos melhores interesses da sociedade joinvilense.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado 05/11/2015 | 06h04

Claudio Loetz: Caixa Federal promove feirão de carros e motos a partir desta quinta-feira em Joinville

Banco pretende emprestar R$ 3 milhões e fechar 150 negócios na cidade até sábado

Livre Mercado 04/11/2015 | 06h03

Claudio Loetz: Grupo mexicano de varejo vai investir R$ 10 milhões em loja de departamentos em Joinville

Previsão é inaugurar prédio que ocupará o espaço do antigo HSBC Premium, no Centro da cidade, no primeiro trimestre de 2016

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDesembargador manda soltar ex-presidente Michel Temer https://t.co/CEU79a8Wxrhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSanta Catarina ganha mais de 25 mil novas vagas de emprego em fevereiro, diz Caged https://t.co/LWFO6bwpcmhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca