Cresce demissão de profissionais experientes - Negócios e Cia - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Talento em pauta13/02/2015 | 17h52

Cresce demissão de profissionais experientes

Empresas estão substituindo profissionais mais experientes por jovens colaboradores, que custam menos

Bernt Entschev
Bernt Entschev

coluna@debernt.com

Em 2014, as demissões de profissionais de 25 a 49 anos ultrapassaram as contratações. Como um reflexo do momento negativo do mercado, o encolhimento de vagas destinadas a profissionais desta faixa etária puxa a economia para baixo. Isso porque as empresas estão substituindo profissionais mais experientes por jovens colaboradores, que frequentemente estão em busca do primeiro emprego e, consequentemente, custam menos para a organização. Mas, em médio e longo prazo, quais são os efeitos desta situação para a economia do País, em especial para profissionais e empresas?

::Leia mais sobre gestão e negócios

O barato sai caro

A contratação de profissionais mais jovens e inexperientes causa, além de uma deficiência na qualidade dos serviços prestados, um impacto negativo na economia. O fato de estes profissionais ganharem menos movimenta menos a economia também. E, como num círculo vicioso, com a economia menos aquecida, as empresas têm cada vez menos demanda, produzem menos e contratam menos.

Equilíbrio

Indivíduos com idade igual ou superior a 50 anos mantiveram uma estabilidade considerável em seus postos de trabalho. Isso porque as organizações estão enxugando o quadro da seguinte forma: mantendo os que têm mais tempo de casa, maior expertise e autonomia e que custam mais; e contratando apenas profissionais jovens e inexperientes, que custam menos e precisam de constante auxílio – em vez de contratar profissionais entre 25 e 49 anos, que não têm tanta autonomia e experiência quanto os de 50, mas que custam mais que profissionais jovens.

Ou seja, as organizações estão buscando manter um quadro enxuto de profissionais experientes e um quadro mais amplo de profissionais jovens, que podem ser moldados pelos mais velhos de acordo com a necessidade e o desejo da organização.

A estratégia pode até funcionar em princípio para as organizações, mas, como já disse, o impacto econômico em médio prazo pode afetar a elas mesmas. O grupo etário mais atingido foi o de profissionais entre 30 e 39 anos, justamente o intermediário, que não se aproxima nem dos mais novos, nem dos mais velhos.

Os impactos

As ações reativas das companhias ao mercado podem prejudicar a economia em médio e longo prazo. Em relação ao mercado em geral, o consumo é atingido, o que interfere na produtividade das empresas. Já para os profissionais, o impacto atinge em especial a sua estabilidade. O importante, para um momento caracterizado pela instabilidade como este, é procurar ter cautela, tanto profissionais quanto empresas, e aguardar a recuperação da economia. E, claro, continuar realizando um trabalho relevante e de qualidade, pois só os melhores sobrevivem às crises.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Talento em pauta 10/02/2015 | 14h40

Dicas para empreender e alcançar o sucesso

Coragem e planejamento detalhado são essenciais para se chegar lá, avalia Bernt Entschev

Talento em pauta 02/02/2015 | 07h51

Por que a geração Y está tão infeliz?

A geração Y precisa aprender a planejar, pensar e se desenvolver, avalia o headhunter Bernt Entschev

Talento em pauta 26/01/2015 | 15h14

Sua empresa sabe definir metas?

O risco planejado tem a capacidade de colocar a empresa em um novo patamar de negócios

Talento em pauta 21/01/2015 | 22h26

Como entrar no ritmo depois das férias

Volta ao trabalho deve ser feita aos poucos, opina consultor de carreira

Talento em pauta 11/01/2015 | 18h13

Como motivar a equipe neste ano de 2015?

É preciso trabalhar com o grupo de colaboradores a volta ao trabalho como uma celebração, sugere consultor

Talento em pauta 02/01/2015 | 20h28

O que imaginar do ano que sucede o complicado 2014?

É possível esperar uma melhora na confiança do comércio e da indústria brasileira em 2015, analisa consultor

Talento em pauta 26/12/2014 | 22h26

Tipos de comportamentos destrutivos no trabalho

Mau humor, procrastinação e egocentrismo prejudicam o próprio profissional e toda a equipe ao redor

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPropaganda do MEC com "mão branca com diploma" é acusada de racismo  https://t.co/fhWY7OCf4lhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaBolsonaro ameaça demitir Levy do BNDES e diz estar 'por aqui' com economista  https://t.co/y2AzAKtapAhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca