António Zambujo reverencia Chico Buaque em show na Capital - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Clube do Assinante14/11/2017 | 06h00Atualizada em 14/11/2017 | 06h00

António Zambujo reverencia Chico Buaque em show na Capital

Cantor português apresenta show da turnê "Até pensei que fosse minha", em que relê o repertório do artista carioca, nesta terça-feira

António Zambujo reverencia Chico Buaque em show na Capital Tiago Cação/Divulgação
Foto: Tiago Cação / Divulgação

Nesta terça-feira (14), o cantor português António Zambujo sobe no palco do Teatro Ademir Rosa, na Capital, para apresentar o show da turnê Até pensei que fosse minha, com o repertório de seu oitavo disco homônimo. No álbum, ele faz uma declaração de amor à obra de Chico Buarque, com 16 faixas de várias fases do compositor.

A ideia de fazer um disco inteiro de composições de Chico surgiu no Brasil, durante as turnês que o português vinha fazer por aqui. A sugestão foi do produtor João Mário Linhares, responsável pela vinda de Zambujo ao país.

— Chico Buarque é o maior compositor de música cantada em português, na minha opinião — decreta Zambujo.

Apesar de ter uma boa relação com o público e os músicos brasileiros, é o primeiro álbum inteiramente luso-brasileiro do artista, gravado com músicos brasileiros e portugueses entre Oeiras, na Grande Lisboa, e o Rio. No repertório estão clássicos como Cálice, Tanto Mar, Futuros Amantes, Folhetim, Valsinha, NinaCecília - estas duas últimas foram sugestões do próprio Chico Buarque. O compositor também aparece no dueto Joana Francesa.

— A escolha do repertório foi aleatória, sem pensar em datas ou temas, apenas focando na música pela música. No show, tem todas as canções do disco e mais algumas, todas elas do Chico — explica Zambujo.

Ouça a faixa que inspirou o nome do disco:

Nascido em Beja, no Alentejo (região do centro-sul de Portugal), o artista cresceu ouvindo o cante alentejano, canto coral tradicional dessa localidade. Ainda jovem, apaixonou-se pelo fado, canção urbana típica de Lisboa, que se tornou marcante em toda a sua obra. Expoente do fado contemporâneo, o António conheceu a música brasileira escutando João Gilberto. Depois, foi descobrindo Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Caetano Veloso e, claro, Chico Buarque.

— Meu primeiro disco saiu em 2002. Depois, fui conhecendo novas influências como o jazz e a música brasileira... Nos últimos tempos também tive contato com nomes contemporâneos como Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Roberta Sá — finaliza o cantor. No novo álbum, Roberta Sá participa da faixa Sem Fantasia e faria uma participação no show de Zambujo na Capital, mas cancelou por motivos de agenda.

Em Portugal, Até Pensei Que Fosse Minha já alcançou o status platina e chegou ao 1º lugar do top de vendas. O disco também está concorrendo ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de MPB - o resultado será anunciado em uma cerimônia em Las Vegas nesta quinta-feira. 

Agende-se
Quando: terça-feira, às 21h
Onde: Teatro Ademir Rosa – CIC (Avenida Gov. Irineu Bornhausen, 5600, Agronômica, Florianópolis)
Quanto: R$ 180. Sócios do Clube do Assinante e acompanhante têm 20% de desconto na compra do ingresso antecipado no site Blueticket

Leia mais: 

António Zambujo canta Chico Buarque e outros eventos para curtir em SC 

Problema do Brasil é desigualdade e não ‘rapaz nu’ no museu, diz Caetano Veloso 

Cozinha do mundo em Santa Catarina: confira 6 restaurantes de comida gringa em Florianópolis, Joinville e Blumenau

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona busca classificação à semifinal do Estadual neste domingo https://t.co/TZru9ymClh #LeianoANhá 33 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCopa Santa Catarina chega à última rodada neste domingo https://t.co/GbgzIj3mX0 #LeianoANhá 33 minutosRetweet

Veja também

A Notícia
Busca