Simone Gehrke: "O 2 de novembro é uma oportunidade para pensar sobre nossa essência" - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônica31/10/2017 | 08h00Atualizada em 31/10/2017 | 08h00

Simone Gehrke: "O 2 de novembro é uma oportunidade para pensar sobre nossa essência"

Jornalista propõe reflexão sobre a nossa condição de "interinos" na vida

Simone Gehrke: "O 2 de novembro é uma oportunidade para pensar sobre nossa essência" CHICO MAURENTE,DIVULGAÇÃO/CHICO MAURENTE,DIVULGAÇÃO
Foto: CHICO MAURENTE,DIVULGAÇÃO / CHICO MAURENTE,DIVULGAÇÃO

Tenho conversado com muitas pessoas que estão assustadas com o fato de que amanhã já é novembro, e logo mais o ano se finda. Parece que há uma forte percepção coletiva de que nossos dias já não apresentam a mesma duração que costumavam ter alguns anos atrás. Pois o penúltimo mês do ano, mais do que um feriado logo em seu início, nos reserva um convite à reflexão sobre nossa condição — agora e num futuro que a gente nunca sabe se próximo ou distante.

— Afinal, você sabe exatamente quem é e por qual motivo está aqui?

Diferentemente do que possa soar em um primeiro momento, o objetivo desta pergunta não é reunir as qualificações, títulos, status ou condições de poder que tornam o leitor "mais ou menos importante" hoje, e que na correria diária a maioria de nós tem o hábito de encarar como algo perene.

Confira notícias de Joinville.

O 2 de novembro é uma oportunidade para pensar sobre nossa essência — aquilo que de fato fica depois que cessa a existência física — dado que somos, todos, transitórios. Estamos interinos, no tempo e no espaço. Somos o presente, mas em algum futuro nos tornaremos o passado.

Dizem que alguém só morre de verdade quando deixa de existir a última pessoa que tem dele alguma lembrança. A viúva do escritor português José Saramago, Prêmio Nobel de Literatura, fez uma sensível declaração sobre como era viver em torno da obra do romancista sem mais contar com a sua presença. "A vida é continuar uns aos outros. Hoje, estamos uns; amanhã, estamos outros. E assim vamos nos continuando".

Ao que damos continuidade — ou recordamos saudosos — das pessoas queridas cuja companhia já não temos mais o prazer de desfrutar? O que temos feito além dos compromissos que garantem nossa subsistência? Que impressões, valores e legados não materiais estamos deixando para aqueles que convivem conosco? Como estamos impactando este mundo que nos recebe em caráter provisório? Somos passageiros conscientes de que temos a responsabilidade de manter e melhorar o ambiente que nos cerca, para que a vida continue, de preferência melhor, depois de nós?

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRegime disciplinar mais rigoroso no sistema prisional está previsto para o próximo ano em Santa Catarina https://t.co/1QGOYpMPRr #LeianoANhá 11 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia¿A reforma da Previdência é a espinha dorsal do ajuste fiscal¿, afirma Zeina Latif https://t.co/tvIkhP5qXB #LeianoANhá 51 minutosRetweet

Veja também

A Notícia
Busca