Jura Arruda: "Será a origem algo tão imprescindível para que uma pessoa se torne digna e boa?" - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônica08/09/2017 | 08h00Atualizada em 08/09/2017 | 08h00

Jura Arruda: "Será a origem algo tão imprescindível para que uma pessoa se torne digna e boa?"

Escritor contesta o tradicionalismo, fala de livre-arbítrio e sobre as possibilidades dos marginalizados na sociedade

A senhora levantou-se com a chegada da filha e de seu namorado e, com forte sotaque italiano, perguntou: "Ele é de origem?"

Recentemente, em uma sessão solene da Academia Joinvilense de Letras, uma autoridade elogiou um dos membros por ter, o novo imortal, origem. Continuou exaltando a importância da origem por infindáveis minutos. Clamou meu peito por meditar sobre o significado do termo "origem" naquele discurso.Será a origem algo tão imprescindível para que uma pessoa se torne digna e boa? E quanto àqueles que sequer sabem a sua? Meus antepassados se dividem entre negros, índios, europeus e brasileiros. Fosse eu descendente direto de um cepa austríaca, norueguesa, russa ou indonésia, faria tanta diferença? Não saber com exatidão joga-me ao limbo da existência e da nobreza?

Leia mais sobre Joinville e região em "A Notícia".

Não falo da origem-causa, daquela que caracteriza um comportamento, uma característica cultural. A história tem nos ensinado que, sim, é imprescindível para o futuro reconhecer o passado. Saber, por exemplo, que a cultura escravagista lançou milhões de negros às margens da sociedade e a alforria os presenteou com a fome, a falta de emprego e o preconceito, que perdura.

Mas importa mesmo para minha estada por aqui saber se minha família veio da Itália, da Alemanha ou da Nova Guiné? É primordial para que eu viva minha vida e trace meu caminho? Ou estou preso ao que foram meus antepassados e nenhuma atitude e nenhum livre-arbítrio me permitirão traçar um caminho a partir do que pretendo para mim, porque aprendi e evoluí? Se pensarmos que reconhecer nossa origem nos permite ser alguém na vida, estamos jogando no lixo a existência de milhões de pessoas que não tiveram a sorte de nascer em bom berço, sob o manto da bonança.

Que futuro e esperanças terão o órfão, o abandonado e o marginalizado se a eles a origem está encoberta pelo que a sociedade lhes causou? Se, para eles, tudo se origina na desventura de terem nascido sem casta e verem que sua árvore genealógica é apenas um toco seco nessa selvagem e devastada floresta social.

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: Dermatologista Milena Zanella, de Joinville, dá dicas de como 'envelhecer bem' https://t.co/r1P0kOWHco #LeianoANhá 6 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona sofre segunda derrota seguida no Estadual de Futsal https://t.co/pzxm6GJdky #LeianoANhá 4 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros