Rubens: Relembre quem eram os nomes da 6ª Coletiva de Artistas de Joinville, realizada em 1976 - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Orelhada20/07/2017 | 05h00Atualizada em 20/07/2017 | 05h01

Rubens: Relembre quem eram os nomes da 6ª Coletiva de Artistas de Joinville, realizada em 1976

Confira essa e outras notícias na coluna de Rubens Herbst

Rubens: Relembre quem eram os nomes da 6ª Coletiva de Artistas de Joinville, realizada em 1976 edson busch machado/Arquivo Pessoal
Edson Machado, Nilson Delai, Luis Gonzaga Melin e Alcides Buss na primeira fila; Antonio Mir, Mara Rúbia, Marli Swaroswky, Amandos Sell e Odete Nery na segunda fila; atrás, João Crisóstomo, Índio Negreiros e Astrid Lindroth Foto: edson busch machado / Arquivo Pessoal

A foto acima é o registro de um momento extremamente prolífico nas artes plásticas joinvilenses e que gerou forte impacto no cenário cultural da cidade. Ele foi feito em 1976, no galpão das carroças do Museu Nacional de Imigração e Colonização, para adornar o catálogo da 6ª Coletiva de Artistas de Joinville, realizada na Casa da Cultura. 

 A reunião de nomes icônicos é impressionante: (da esquerda para a direita) Edson Machado, Nilson Delai, Luis Gonzaga Melin e Alcides Buss na primeira fila; Antonio Mir, Mara Rúbia, Marli Swaroswky, Amandos Sell e Odete Nery na segunda fila; atrás, João Crisóstomo, Índio Negreiros e Astrid Lindroth. Outros membros do grupo não estão na imagem, como Luiz Henrique Schwanke, Moa, Albertina Tuma e Odil Campos. 

O clique certamente provocará burburinhos quando for mostrada hoje à tarde, durante a palestra ¿Quem tem medo de cultura¿, que Machado ministrará no Museu de Arte de Santa Catarina, na Capital.

Leia as últimas notícias de Joinville e região no AN.com.br
Confira outras colunas de Rubens Herbst

Alas reabertas

Vale reforçar que o Museu Nacional do Mar reabre hoje dois setores que passaram pelas obras emergenciais dos últimos meses. São elas a Ala do Mar, que abriga as salas de artesanato e modelismo, da navegação, das canoas e a Biblioteca Kelvin Palmer Rothier Duarte, e a Sala Amyr Klink, que inclui a réplica do barco I.A.T. - o navegador não estará presente, é bom que se diga. O evento acontece às 15h30, e reabre também a exposição permanente dos modelos e miniaturas de embarcações do o acervo de mais de 150 peças do museu de São Chico.

Canetada

Foto: Divulgação / Divulgação

Um olhar de relance para lembrar que há uma semana abria a exposição individual do artista Época Mouco – cujos grafites ilustram vários muros Joinville afora, além de aparecerem em publicações independentes – no Salvador Vegan Café. Lá, fica até o dia 27, exibindo desenhos minimalista, feitos com caneta esferográfica sobre papel canson, que retratam o movimento de multidões pela cidade. Eles surgiram de pesquisas de imagens na ferramenta Street View e de fotografias captadas no Centro de Joinville

Incomum

Diga Oi ao Caos é um duo de música experimental surgido em fevereiro, em Florianópolis, que tem a liberdade criativa como norte. Ele toca, sobretudo, músicas autorais regidas pelo improviso, alcançado por meio de guitarra, baixo, beats eletrônicos e uma infinidade de efeitos eletrônicos. A dupla chega a Joinville para tocar hoje, às 22 horas, no Delinquent¿s Bar, e amanhã, às 14 horas, no MAJ.

Seleção

O curta Garoto VHS, do diretor jaraguaense Carlos Daniel Reichel, foi selecionado para o 28o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, o maior do gênero no Brasil. A produção de 2016, que já passou por Estados Unidos e Colômbia, além de receber prêmios no País, segue agora para a capital paulista para ser exibida no festival, que começa no domingo.

Máquinas

Estreia hoje nos cinemas Transfomers: o Último Cavaleiro, quinto filme da franquia e o último com direção de Michael Bay, segundo o próprio. Na trama – que tenta fazer uma ligação com o passado dos robôs alienígenas na Terra -, Optimus Prime viaja até seu moribundo planeta natal enquanto aqui os Transformers se escondem com a ajuda de Cade (Mark Wahlberg). Ao mesmo tempo, os Decepticons preparam num novo ataque.

O corpo como tela

Foto: divulgação / divulgação

O corpo como suporte da arte, como própria obra, e, a partir daí, um estímulo comportamental para o observador. É isso que o artista visual Iam Campigotto propõe em Obscena, exposição que estreou no mês passado e inaugura hoje, às 20 horas, na galeria do Sesc de Joinville, com uma conversa com o autor. Paulista radicado em Florianópolis, Campigotto se vale de sua experiência em dança, música e artes visuais para apresentar 13 fotos e vídeos em que seu corpo aparece em diferentes lugares, situações e usos. É o registro de uma performance e do acaso, que vai até 1º de setembro.

História de uma Bailarina

Foto: Raphaella Verardi / Divulgação

Nenhuma época do ano viria mais a calhar para a bailarina e acadêmica Raphaella Verardi mostrar seu trabalho de conclusão do curso de fotografia da Univille. Afinal, dele faz parte a exposição Caesura, que abre hoje no Shopping Mueller. Por meio de uma série de fotos, gifts e cinegramas (técnica gerada por um aplicativo), ela narra a história de uma bailarina que busca recuperar o sentimento de liberdade e euforia ao dançar – daí o nome do projeto, que vem da pausa numa melodia musical. A mostra fica até o dia 28, no segundo piso.

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros