Reproduções das cartas entre Fritz Müller e Charles Darwin estão em exposição em Florianópolis - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Teoria da Evolução10/07/2017 | 14h31Atualizada em 10/07/2017 | 15h48

Reproduções das cartas entre Fritz Müller e Charles Darwin estão em exposição em Florianópolis

Mostra conta a vida do pesquisador alemão que viveu em Blumenau em meados do século 19 e reproduz trechos da correspondência entre ele e o naturalista inglês

Reproduções das cartas entre Fritz Müller e Charles Darwin estão em exposição em Florianópolis Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Registros históricos das correspondências entre Fritz Müller, o cientista alemão que veio morar no final do século 19 em Blumenau, e pesquisadores de todo mundo, dentre eles Charles Darwin (1809 - 1882), estão em exposição até 23 de julho no Beiramar Shopping, em Florianópolis. A mostra traz conteúdo relevante levantado pela historiadora Ana Maria Ludwig Moraes sobre a teoria da evolução das espécies e sobre o tempo em que o célebre pesquisador radicado em SC vivia em Florianópolis, então chamada de Desterro.

Numa das cartas que trocou com Darwin, em 1865, Müller falou da beleza da Ilha de Santa Catarina e, já naquele tempo, lamentou o desaparecimento das matas virgens da cidade. Reproduções de trechos dessas cartas, bem como de correspondências com outros cientistas, estão expostas em 10 painéis — visualmente não tão atraentes, mas com conteúdo de valor histórico.

A exposição é alusiva aos 120 anos de morte de Müller, completados em 2017, e também integra um circuito de comemorações até 2020, quando se celebram os 200 anos de nascimento do cientista.

Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Com referências do livro Dear Mr Darwin, de Cezar Zillig, a autora conta brevemente a história do alemão. Ele chegou ao Brasil em 1852, aos 30 anos, acompanhado da mulher e da filha. Era um ativista político na Alemanha e veio a convite do Dr. Blumenau, de quem era amigo. Por 11 anos morou em Desterro, entre 1856 a 1867, onde atuou como professor. Foi nesse período que conheceu a teoria do naturalista inglês.

Pesquisador da fauna e flora marinhas, achou que os crustáceos poderiam fornecer a comprovação daquilo que ainda era somente teoria. E assim, catando e selecionando pequenas criaturas na Praia de Fora (hoje Avenida Beira-mar Norte), ele conseguiu comprovar o que Darwin apenas tinha como teoria. Por esse trabalho, Müller ganhou notoriedade e foi mencionado 17 vezes por Darwin na reedição de A Origem das Espécies — a primeira edição é de 1859.

— À época que Darwin publicou A Origem das Espécies, ainda existia forte influência da igreja e resistência à teoria. No momento em que Müller comprova, ele dá consistência ao trabalho do naturalista inglês — afirma Ana Maria Ludwig Moraes.

Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Os dois pesquisadores nunca se viram pessoalmente, mas a amizade surgiu a partir da leitura que Darwin fez da obra de Müller intitulada Para Darwin, em 1865. A troca de cartas entre os dois durou até 1882, quando Darwin morreu. Müller também ganhou projeção como pesquisador e se se correspondeu com muitos cientistas de renome.

AGENDE-SE

O quê: exposição Fritz Müller e Desterro: fundamentais para a Teoria de Darwin
Quando: até 23/7, segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos, das 11h às 22h
Local: Piso L2 do Beiramar Shopping (Rua Bocaiúva, 2.468, Centro, Florianópolis)
Quanto: gratuito

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaProjeto de lei de vereador mirim de Joinville é aprovado em Brasília https://t.co/Dj5CUwqUyy #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHomem joga gasolina e ateia fogo na mulher e no filho  https://t.co/2yd1iOtftf #LeianoANhá 6 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros