Mostra Contemporânea oferece obras completas no Festival de Joinville - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Dança22/07/2017 | 17h42Atualizada em 22/07/2017 | 17h42

Mostra Contemporânea oferece obras completas no Festival de Joinville

Evento ocorre paralelamente com companhias profissionais independentes, que apresentam espetáculos utilizando novas linguagens cênicas


A Cia. Híbrida apresenta o espetáculo Non Stop no Teatro Juarez Machado Foto: Renato Mangolin / Divulgação

O Festival de Dança de Joinville reserva um momento de sua programação para espetáculos completos que possibilitam aprofundamento na discussão crítica e na pesquisa, na Mostra Contemporânea, que tem sua primeira apresentação neste sábado. Nesta edição, cinco apresentações foram escolhidas após a organização abrir seletiva especial para obras que tiveram estreia entre 2014 e 2017 – até o ano passado, os grupos eram convidados a partir de indicações da curadoria artística. 

Além de possibilitar ao público assistir a trabalhos de diferentes gêneros que têm em sua marca o uso de novas linguagens cênicas, é também a oportunidade de estas companhias estarem diante de um público ¿qualificado¿. 

– Quem assiste à Mostra Contemporânea é porque realmente se interessa por dança – analisa o presidente do Instituto Festival de Dança, Ely Diniz — A dificuldade de palco que essas companhias profissionais menores tem é imensa. De dançar para valer, recebendo cachê, com público, a parte técnica que precisa.

Confira a programação da Mostra Contemporânea de Dança:

Auto-matismos reflete sobre a construção da performance Foto: Alex Hermes / Divulgação

 Auto-matismos, da companhia Automatismo (CE)

O trabalho foi contemplado no Edital Ateliê de Composição Coreográfica e Processos Criativos em Dança da Vila das Artes e é inspirado nas reflexões sobre a lógica da coexistência e a construção da performance que se dá no encontro entre ¿com-posições¿, segundo o diretor do grupo, Victor Macdowell.
Sábado, 22 de julho, às 17 horas, no palco do Centreventos Cau Hansen. 
Gratuito.

O Crivo é inspirado em contos de Guimarães Rosa Foto: Lu Barcelos / Divulgação

O Crivo, do grupo Ateliê do Gesto (GO)

Inspiradas em três contos de Guimarães Rosa, a literatura e a dança dialogam a partir destas histórias e suas imagens: o rio, do conto A Terceira Margem do Rio; em ¿e¿ do título do conto Nada e a Nossa Condição; e, de O Espelho, o próprio objeto é a imagem escolhida.
Quarta-feira, 26 de julho, às 17 horas, no Teatro Juarez Machado.
Ingressos a R$ 22 no site Ticket Center e na bilheteria do Centreventos Cau Hansen.

A Cia. Fragmento de Dança apresenta obra que discute processos de transformação Foto: Leo Lin / Divulgação

Porque somos Mutantes,da Cia. Fragmento de Dança (SP)

Tem como ponto de partida a obra do escultor e fotógrafo Jason Taylor para pesquisar um corpo impermanente, por onde transitam memórias e sentimentos. Também foram investigados procedimentos utilizados por estátuas vivas a fim de entender o que se passa entre pausa e movimento. O trabalho discute processos inevitáveis de transformação, nos quais se perde o registro do que somos. 
Sexta-feira, 28 de julho, às 17 horas, no Teatro Juarez Machado. 
Ingressos a R$ 22 no site Ticket Center e na bilheteria do Centreventos Cau Hansen.

A Cia. Híbrida também apresenta uma performance gratuita na rua, no centro de Joinville Foto: Dorethee Elfring / Divulgação

Escuta! Performance Urbana, da Cia. Híbrida (RJ)

A intervenção urbana ocorre no terminal central de Joinville como parte das Estratégias para Desembrutecer o Olhar, e busca responder a perguntas referentes ao impacto da dança. Na primeira, bailarinos misturados às demais pessoas propõem pausas em grupo, passos isolados, juntos, misturados, de modo a gerar um estranhamento e, quem sabe, acordar aquele que passa bem ao lado. Na segunda, com fones no ouvido e desplugados de qualquer aparelho, oferecem a possibilidade de um contato, que se dá pela extremidade do fone. Sexta-feira, às 18 horas, no terminal central. 
Gratuito.

O espetáculo analisa os movimentos dentro dos estilos da dança urbana Foto: renato mangolin / Divulgação

Non Stop, da Cia. Híbrida (RJ)

Considerado um dos melhores espetáculos de dança de 2015 pelo jornal O Globo, desenvolve-se a partir da discussão corpo versus máquina e da pesquisa sobre a circularidade nas danças urbanas. A obra ressignifica elementos dentro de diversos estilos, tais como o breaking e seus power moves e footworks; o fluxo contínuo dos slides, os braços de waackin¿, entre outros passos. A obra atua como lente de aumento, evidenciando o dançarino urbano, na sua movimentação, força e energia de corpo vigoroso e ¿sem limites¿. 
Sábado, 29 de julho, às 17 horas, no Teatro Juarez Machado.
Ingressos a R$ 22 no site Ticket Center e na bilheteria do Centreventos Cau Hansen.

Confira a programação do Festival de Dança de Joinville neste fim de semana
Saiba onde estão as apresentações gratuitas do Festival de Joinville

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoinville tem avenidas e ruas duplicadas sem infraestrutura nos bairros https://t.co/OA5Xyb96BD #LeianoANhá 35 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaElton Carvalho: JEC foi castigado por uma estratégia sem necessidade https://t.co/QLZchJE2zH #LeianoANhá 6 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros