Jornalista Sérgio Sá Leitão será o novo ministro da Cultura  - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Sob nova direção20/07/2017 | 12h57Atualizada em 20/07/2017 | 12h57

Jornalista Sérgio Sá Leitão será o novo ministro da Cultura 

Atual diretor da Agência Nacional de Cinema (Ancine) aceitou o convite do presidente Michel Temer e deve tomar posse na próxima semana 

Jornalista Sérgio Sá Leitão será o novo ministro da Cultura  Edilson Rodrigues / Agência Senado, divulgação/Agência Senado, divulgação
Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado, divulgação / Agência Senado, divulgação
Zero Hora
Zero Hora

Sem titular desde a saída de Roberto Freire (PPS) em maio, o Ministério da Cultura já tem novo mandatário. O jornalista e atual diretor da Agência Nacional de Cinema (Ancine) Sérgio Sá Leitão, 49 anos, aceitou o convite feito pelo presidente da República, Michel Temer, conforme noticiou a colunista do site G1 e do canal GloboNews, Cristiana Lôbo.

Antes de dirigir a Ancine, Sá Leitão foi secretário municipal de Cultura do Rio, na gestão Eduardo Paes (PMDB), e chefe de gabinete do Ministério da Cultura entre 2003 e 2006, no período em que a pasta foi comandada por Gilberto Gil.

Nomeação tem apoio de artistas e cineasta

Jornalista, Sérgio Leitão foi secretário municipal de Cultura do Rio e presidente da Rio-Filme. No primeiro governo Lula, foi chefe de gabinete do então ministro da Cultura Gilberto Gil e secretário de Políticas Culturais da Pasta. Na diretoria da Ancine desde abril deste ano, Leitão é ligado também ao ex-ministro da Cultura Roberto Freire (PPS), que deixou o cargo em 18 de maio, logo após a divulgação da delação da JBS.

A nomeação de Leitão para a Cultura contou com o apoio do cineasta Cacá Diegues, de quem Temer é muito próximo e com quem conversou nas últimas semanas sobre a indicação. Cacá e outros artistas, como a atriz Suzana Pires e o cineasta Vladimir Carvalho, participaram da sessão da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado que aprovou a indicação de Leitão para a Ancine em abril.

Pasta cobiçada

O cargo de ministro da Cultura vinha sendo cobiçado por deputados, como Cristiane Brasil (RJ), filha do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB. Em reunião nesta quarta-feira (19), no Palácio do Planalto, porém, Temer avisou a Jefferson e a Cristiane que não iria nomear a parlamentar fluminense, pois já tinha convidado outra pessoa para o cargo.

— O presidente disse que a Cristiane tem sido uma guerreira, mas que já tinha convidado outra pessoa. Pediu que a gente não ficasse com raiva. Disse que, da minha parte, não havia problema — afirmou Jefferson ao sair do Palácio do Planalto.

Delator do escândalo do mensalão do PT, o ex-deputado se reuniu com Temer junto com a filha, a convite do presidente da República.

O deputado André Amaral (PMDB-PB) também queria ser ministro da Cultura. Ele chegou a pedir ao líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), que intercedesse a favor dele. Contudo, o paraibano também enfrentou resistências. Com 26 anos, está em seu primeiro mandato como deputado, assim com Cristiane. Ele só assumiu o cargo efetivamente no parlamento em janeiro, após Manoel Júnior (PMDB) renunciar ao mandato para assumir como vice-prefeito de João Pessoa (PB).

* Com informações do Estadão Conteúdo

Leia mais:

Com livros corroídos e instalações, artista Juliana Hoffmann revisita suas memórias em nova exposição

Romero Britto: "Enquanto as pessoas me criticam, estou criando minha arte"

Blumenau e Pinhalzinho terão curso superior de Dança

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia"Todos ajudaram a deixar meu olho roxo", desabafa professora agredida por aluno em Santa Catarina https://t.co/nKa2vBz17s #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDois corpos são encontrados na Colônia Santana, em São José https://t.co/zDTC0WZePE #LeianoANhá 1 horaRetweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros