"Respiro fundo por saber que, nos próximos dez dias, estarei envolvido desde o primeiro raio de Sol até quando a Lua estiver alta no céu" - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônica09/06/2017 | 08h00Atualizada em 09/06/2017 | 08h02

"Respiro fundo por saber que, nos próximos dez dias, estarei envolvido desde o primeiro raio de Sol até quando a Lua estiver alta no céu"

Jura Arruda fala sobre a correria para participar da Feira do Livro de Joinville como escritor e dono de editora de livros

"Respiro fundo por saber que, nos próximos dez dias, estarei envolvido desde o primeiro raio de Sol até quando a Lua estiver alta no céu" Claudia Baartsch/Especial
Jura Arruda, escritor Foto: Claudia Baartsch / Especial

É quarta-feira quando escrevo esta crônica. Entre a montagem do estande da editora e o início das atividades da Feira do Livro de Joinville. Tiro alguns minutos e sento-me à mesa de um café. Respiro fundo por saber que, nos próximos dez dias, estarei envolvido desde o primeiro raio de Sol até quando a Lua estiver alta no céu, mas também por saber que mergulharei sem amarras ao deleite da literatura e da conversa com quem produz e com quem consome livros.

Os paletes e algumas caixas chegaram pela manhã, outros materiais e os quadros da Tatiana Araújo chegarão no final da tarde. Antes disso, sou convocado a conceder uma entrevista a uma rádio da cidade. Depois, volto ao pavilhão para arregaçar as mangas. Na manhã de quinta, mal as portas da feira sejam abertas, estarei sobre o palco do Teatro Juarez Machado para um momento de encontro com crianças e jovens cuja tônica será a liberdade criativa e as histórias que a mente permite. À noite, a abertura oficial, da qual, confesso, não me animo a participar. É exatamente aquele momento em que as autoridades tomam para si os méritos de outros para fazer palanque. Acho um saco, e não guardo segredo sobre isso. Porém, é protocolo que se tem que seguir, pelo bem da sobrevivência em uma sociedade injusta e maquiada. Ao dizer isso, devo estar assinando minha sentença de morte, mas dizem por aí que ando imortal por fazer parte da Academia Joinvilense de Letras, então...

Leia mais sobre Joinville e região em A Notícia.

Em meio ao cafezinho sem açúcar (ainda me acostumo), recebo a notícia de que terá início na segunda-feira a greve dos servidores públicos municipais. Um verdadeiro golpe na expectativa dos realizadores da Feira do Livro. Escolas já começaram a cancelar a ida ao evento. O burburinho das mentes inquietas será menor, haverá menos olhares brilhantes buscando nas capas dos livros a viagem perfeita, a experiência inesquecível, o conto arrebatador. Não culpem professores e servidores. Eles estão exercendo seu direito à dignidade e têm meu apoio, ainda que o ônus seja imenso desta vez, viu, autoridades?

Terminei o café e as elucubrações sobre nossa sociedade débil e esperançosa. Nos vemos nos corredores da feira? Nos arredores das histórias encantadas? No sonho que nos alimenta? Espero que sim.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaIPTU progressivo volta a ser discutido em Joinville https://t.co/sJ1fC8XEdK #LeianoANhá 31 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Empresa de Jaraguá do Sul planeja investir R$ 400 milhões até 2020 https://t.co/HIVSBAyLX8 #LeianoANhá 1 horaRetweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros