"Velho Chico": cinco motivos que fizeram da novela um marco da teledramaturgia brasileira - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crítica30/09/2016 | 18h00Atualizada em 30/09/2016 | 18h00

"Velho Chico": cinco motivos que fizeram da novela um marco da teledramaturgia brasileira

RBS TV exibe último capítulo da trama de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi nesta sexta-feira

"Velho Chico": cinco motivos que fizeram da novela um marco da teledramaturgia brasileira TV Globo/Divulgação
Antônio Fagundes interpreta coronel Saruê na terceira fase da novela Foto: TV Globo / Divulgação

Velho Chico não foi sucesso de audiência, mas ficará marcada por mudar a concepção estética de uma novela da TV aberta. É bem verdade que a trama de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi será sempre lembrada pela morte do seu protagonista, mas a obra é muito maior do que a tragédia que tirou a vida de Domingos Montagner. Confira cinco motivos que fizeram do folhetim um marco.

Leia mais:
SPOILER ALERT: saiba como será o final da novela "Velho Chico"
"Velho Chico" resgatou a relevância da novela das nove
"Velho Chico": entenda técnica que mantém personagem de Domingos Montagner na trama da novela 

TRAMA

Depois de sucessivas histórias ambientadas no eixo Rio-São Paulo, Benedito e Bruno foi ao sertão nordestino para apresentar sua novela. Velho Chico fez o Brasil reencontrar temas esquecidos e a discutir agricultura sustentável, coronelismo, corrupção nas cidades, etc. Tendo o rio São Francisco como pano de fundo, os autores falaram sobre a questão ribeirinha, o uso da terra, povo indígena e exploração do trabalhador rural. Embora distante da realidade sulista, são pontos presentes no cotidiano de parte da população brasileira. Além disso, teve todo um debate sobre ética e política bem atual. Os diálogos longos e fortes foram marcas da história contada pela novela. Leia mais sobre a trama.

ESTÉTICA

Paisagens deslumbrantes, cores vibrantes e um pouco de fantasia marcaram a obra. A apresentação de Velho Chico aproximou ainda mais a TV do cinema, com uma estética pouco vista em novelas, principalmente. Mesmo sendo uma trama atual, o diretor Luiz Fernando Carvalho não se furtou a usar a câmera lúdica que havia marcado outros de seus trabalhos como Meu pedacinho de chão e Hoje é dia de Maria. Leia mais sobre a estética de Velho Chico.

TRILHA SONORA

O que dizer de uma novela que reúne Caetano Veloso, Maria Bethânia, Tom Zé, Alceu Valença, Legião Urbana, Ná Ozzetti, Raul Seixas, Céu, entre outros? A escolha musical para compor a trama foi uma das melhores dos últimos tempos. Leia mais sobre a trilha sonora de Velho Chico.

ELENCO

Enxuto, o grupo de atores escolhidos mesclou grandes nomes da TV como Antônio Fagundes, Camila Pitanga e Christiane Torloni com gente do teatro (Domingos Montagner, Lee Taylor e Zezita Matos), do cinema (Irandhir Santos, Dira Paes e Selma Egrey) e novas caras (Gabriel Leone, Lucy Alves e Giullia Buscacio). A atuação deles foi coesa e todos tiveram espaço para aparecer. Além disso, ainda teve a participação especialíssima de Rodrigo Santoro em um de seus melhores papéis na TV brasileira.

DIREÇÃO

É de praxe as novelas serem conhecidas pelos seus autores, mas no caso de Velho Chico é a marca de Luiz Fernando Carvalho que fica. Sem a sua condução nada disso seria possível. É dele a sistemática de colocar os atores em um galpão instalado nos Estúdios Globo, no Rio, em uma série de ensaios exaustivos para compor os personagens. Assim como também é dele a concepção estética arrojada da trama.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPM divulga distribuição dos novos policiais militares de Santa Catarina https://t.co/kDVclFOQRchá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHomem é assassinado na zona Norte de Joinville https://t.co/MuGVsIrN5Bhá 3 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros