Joinvilense Lara, de cinco anos, doa os cabelos para ONG que faz peruca para crianças com câncer

Vers?o mobile

 
 

Solidariedade23/05/2014 | 19h01

Joinvilense Lara, de cinco anos, doa os cabelos para ONG que faz peruca para crianças com câncer

O gesto de solidariedade foi incentivado pela mãe da menina, Ana Paula, que conheceu o Projeto Cabelegria, de São Paulo, pela internet

Joinvilense Lara, de cinco anos, doa os cabelos para ONG que faz peruca para crianças com câncer Leo Munhoz/Agencia RBS
Ana, a mãe, também cultiva longas madeixas, mas por enquanto não tem coragem de se desfazer delas Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Cabelos têm poder. Duvida? Eles traduzem personalidades, marcam mudanças, transformam um rosto. Incomodam quando passam o dia arrepiados, dão trabalho quando exigem muitos cuidados, trazem felicidade quando acordam perfeitos. Para muita gente, cabelos estão diretamente ligados à autoestima e à vaidade.

Dona de um cabelão liso e natural, a pequena joinvilense Lara Luísa Filippi Pereira, de apenas cinco anos, pedia há meses para que sua mãe, Ana Paula, autorizasse o corte. Depois de muita insistência, o aval veio quando a acupunturista conheceu o Projeto Cabelegria e o apresentou à filha, que aceitou participar entusiasticamente.

O Cabelegria, com sede em São Paulo, surgiu em 17 de outubro de 2013, numa parceria entre a designer Mariana Robrahn e a publicitária Mylene Duarte. O projeto voluntário arrecada cabelos doados para a confecção gratuita de perucas para crianças com câncer que estejam em tratamento quimioterápico.

Sem um programa como esse em Joinville, Ana Paula autorizou que Lara cortasse 25 cm de cabelo e enviasse para a capital paulista. Foi a própria menina quem preencheu os dados no embrulho que seguiu no fim de março pelos Correios.

Ana também cultiva longas madeixas, mas por enquanto não tem coragem de se desfazer delas. Criada num ambiente solidário, sempre procurou passar para a filha a ideia de doar roupas e brinquedos em bom estado. O cabelo, no entanto, ela ainda não consegue cortar.

– É um apego ridículo, eu sei. Minha filha continua linda com o corte e o cabelo dela cresce rápido. Mas o meu sempre foi comprido. Com 18 anos, passei por uma fase rebelde e o cortei, mas logo deixei crescer de novo. Aos oito anos, minha mãe cortou e eu odiei. Acho que encontramos a fonte do problema – diverte-se Ana.

Fã de Bob Esponja, Chiquititas e Patrulha Salvadora, Lara faz aulas de canto e inglês e adora brincar com ursinhos, Lego, bonecas e quebra-cabeça. Uma criança comum dando aula de desapego.

Sem muitas palavras, a menina conta que ficou feliz em saber que seus cabelos vão para a cabecinha de outra criança e já está louca para deixar os fios crescerem de novo.

– Aí eu corto e doo outra vez – promete.

COMO DOAR

  • Ter comprimento de no mínimo um palmo (10 cm).
  • A Cabelegria aceita qualquer tipo de cabelo, mesmo com química.
  • Amarre o cabelo antes de cortar, para facilitar o manuseio.
  • Coloque o cabelo seco em um saco plástico.
  • Envie o cabelo para o endereço: Avenida Parada Pinto, 3.420, bloco 6, apartamento 33 – Vila Nova Cachoeirinha – São Paulo/SP – CEP: 02611-001.

A NOTÍCIA

 

Siga A Notícia no Twitter

A Notícia
Busca