Ensaio fotográfico mostra pontos de Joinville em dia e noite - Guia de cultura e variedade de Joinville - A Notícia

Versão mobile

166 anos09/03/2017 | 08h55

Ensaio fotográfico mostra pontos de Joinville em dia e noite

Para celebrar o aniversário da cidade, Jura Arruda escreveu uma crônica a partir do mesmo tema

Ensaio fotográfico mostra pontos de Joinville em dia e noite Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

O fotógrafo Maykon Lammerhirt resolveu homenagear os 166 anos de Joinville com um ensaio para lá de especial. Utilizando uma técnica que trabalha a fusão de imagens, ele revela quatro ângulos da nossa Joinville em dia e noite. Para completar o presente, Jura Arruda escreveu uma crônica a partir do mesmo tema. Um convite para você se emocionar!

Leia as últimas notícias de Joinville e região
Clique aqui para ler o caderno especial de aniversário de Joinville

Cada uma das quatro imagens deste ensaio do fotógrafo Maykon Lammerhirt, demorou cerca de três horas para ser captada e mais um tanto de tempo para ter sua montagem final, que é feita com uma técnica de fusão por meio da sobre-exposição de dez imagens que representam momentos diferentes do dia e da noite. O resultado é que em uma única foto você vê dez diferentes momentos daquela captação:



DE NOITE, UM DIA,
Do escritor Jura Arruda

Os primeiros raios de sol rompem a escuridão de uma noite infeliz. A madrugada, às vezes, não é boa companheira. Mas há um porvir de esperança na luz que invade a fresta da cortina às 6h52 e que beija-lhe suavemente as pálpebras. Tanto renascimento o amanhecer é capaz de propor! Não a ela, não nesta manhã. Ainda que o instante ofereça um pouco de alívio, abrir os olhos é penoso. Ver o que quer que seja é, ainda, sombrio. Mas não adianta os olhos fechados, não se foge do que está dentro, carregado, impresso em nós. A imagem de uma ausência insiste em aparecer, como um quadro triste. Moça em posição fetal, abrigo imaginário. Do cabide pende o vestido, sem suor, sem aplauso.

Ao Sul da cidade, ele bate palmas. Um cachorro late. Uma mulher abre a porta. O ônibus no qual chegou seguirá despejando trabalhadores de volta às suas casas. A cozinha exala um cheiro de café, que ele tomará imaginando sua cama e um sono merecido. Mas antes do almoço já estará de pé, porque, mais do que trabalhar, há coisas que precisam ser feitas, há uma vida em andamento e há que se ser feliz, seja ouvindo música, assistindo ao futebol ou vendo TV. Não fará muito mais do que isso, porque não é de sua cultura ou porque a vida anda exigindo entrega total à luta pela sobrevivência, e qualquer programa que fuja da rotina dá trabalho.

Mais de quinhentas mil pessoas, hoje, seguirão nas mais diversas direções, cada uma com seus problemas, cada uma com suas soluções, todas com algum motivo, alguma renúncia, algum calo ou pedra no sapato, olhando vitrines e imaginando-se descalças. Chaminés lançarão fumaças no céu, que de azul se transformará em cinza no final da tarde, calor úmido, prenúncio de chuva forte. Águas de março sem poesia.

As horas voam, o mundo caminha.

É laranja o Sol que repousa sobre a linha do horizonte, chuveiros despejam água e prazer sobre os corpos que chegaram em casa e que sairão em seguida. Nos cabides, roupas de sair se exibem na esperança de serem escolhidas. Os faróis dos carros já estão acesos; as luzes nos postes iluminam calçadas; desejos e expectativas se acendem à luz da Lua. Vista de cima, a cidade ferve, emana fachos de luz que percorrem suas vias em vermelho e branco. À noite, a cidade parece maior que durante o dia, é quase cosmopolita. Os sons, duros, mecânicos e agressivos de horas antes, agora ganham contornos de festa, há copos tilintando, há risos soltos e um cheiro de perfume que embriaga tanto quanto olhares de conquista.

A bailarina recolhe a tristeza, esconde-a sob a fita que envolve suas canelas, retira do cabide o vestido não usado na noite anterior, volta ao palco para o encontro tão desejado. Aquece o corpo, alonga-se, inspira, expira. Havia um objetivo em todo esforço durante os meses de ensaio, havia a esperança do encontro e a certeza da realização. Ainda sustenta, em meia ponta, o medo, não da queda, mas do fracasso de não ter a quem apresentar suas conquistas.

O trabalhador estará de folga hoje, quando o dia encontrar a noite, e ainda estará, quando a noite reencontrar o dia. Resta-lhe saber que há uma apresentação na cidade, de uma bailarina que anseia pelo encontro, e que seus mundos podem se encontrar, nem que seja no breve espaço de um crepúsculo, quando dia e noite se misturam e tornam-se uma coisa só, como eles ainda não conseguiram.
 

A NOTÍCIA

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRetrospecto do JEC na Ressacada anima, mas será preciso superar outra estatística https://t.co/JdwsdbPC8P #LeianoANhá 25 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaVigilância Sanitária fiscaliza lotes de carnes à venda em Joinville https://t.co/ZZjbrJD3Fz https://t.co/OwA2bMPnEihá 47 minutosRetweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros