Conheça histórias sobre o imóvel que abrigou o primeiro "hospício" em Joinville - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

História08/06/2017 | 20h35Atualizada em 09/06/2017 | 16h07

Conheça histórias sobre o imóvel que abrigou o primeiro "hospício" em Joinville

Palestra sobre o Abrigo Municipal de Alienados ocorre nesta sexta, 9 de junho, e exposição continua até o fim do mês no Arquivo Histórico

Conheça histórias sobre o imóvel que abrigou o primeiro "hospício" em Joinville Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Foto mostra a construção da instituição de Oscar Schneider Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Em Joinville, algumas histórias podem estar perdidas em meio ao crescimento da área urbana na cidade. Uma delas era a do Asilo Municipal de AlienadosOscar Schneider, um hospital psiquiátrico construído no início dos anos de 1920 para abrigar pessoas com transtornos mentais — em toda a amplitude que o conceito significava na época, bem distante da reforma psiquiátrica, do movimento antimanicomial e dos serviços humanizados. O imóvel, que depois foi utilizado de outras duas formas bastante curiosas, existia no terreno do Cemitério Municipal de Joinville, na rua Borba Gato, no bairro Atiradores. Agora, é lembrado pelas histórias e fotografias reunidas na exposição "Registros da Clausura: o Abrigo de Alienados Oscar Schneider (1923-1942)", que reunirá joinvilenses em uma palestra na noite desta sexta-feira, às 19 horas, no Arquivo Histórico.  

A casa funcionou de 1923 a 1942 e foi idealizada pelo ex-prefeito de Joinville que lhe dava nome, Oscar Schneider. O objetivo era oferecer um tratamento digno aos doentes mentais, mas não foi bem o que aconteceu. É o que contou a doutoranda em psicologia Mariana Zabot Pasqualotto no livro "Memórias da Loucura em Joinville: o (des)aparecimento do Abrigo de Alienados na Cidade", lançado em 2015, a partir de uma pesquisa feita por ela com o doutor em psicologia Allan Henrique Gomes e seis estudantes de psicologia da ACE.

A obra recorda a trajetória dos tratamentos dados, desde a criação da Colônia Dona Francisca, àqueles considerados loucos. Desta forma, qualquer pessoa com algum tipo de deficiência física e mental corria o risco de ser removida de sua vida para virar interno do Asilo Municipal de Alienados. No livro de registros, os pesquisadores encontraram, por exemplo, uma paciente em que o diagnóstico era "ser muda".

A partir da publicação da obra, Mariana recebeu novas informações e imagens de pessoas que quiseram dividir histórias sobre o local. Entre eles estava Jackson Correa, 55 anos, que cedeu para reprodução uma imagem da construção do prédio. O avô dele, Alvino Klingenfuss, estava entre os pedreiros que levantaram as paredes do primeiro "hospício" de Joinville.

Confira mais notícias de Joinville e região.

— Era comum que registrassem a construção dos prédios, principalmente quando faziam a festa das cumeeiras — conta Jackson, que ainda recorda das histórias de vizinhos que, durante a Segunda Guerra Mundial, foram levados para o local como "prisioneiros políticos".

Isso porque, quando o Asilo Municipal fechou, em meio à época da guerra, a construção tornou-se o lugar para deter pessoas que iam contra a Campanha de Nacionalização do governo de Getúlio Vargas, que proibiu a comunicação e o ensino dos idiomas dos países adversários do Brasil, como o alemão, o italiano e o japonês. Um deles era o fotógrafo Fritz Hofmann. Nascido em 1872 em um município da Saxônia, na Alemanha, ele mudara para Joinville em 1903. 

— Ele se recusava a falar português, e continuou só falando em alemão até o fim da vida, em 1960  — conta a bisneta Fatima Hofmann.

Por isso, Fritz foi detido três ou quatro vezes e obrigado a passar alguns dias no presídio político da rua Borba Gato. Em seu acervo fotográfico, consta uma imagem do local que, desconfia a família, foi feita enquanto ele esteve preso no local.

Com o fim da guerra, o imóvel seria reformado e transformado em quitinetes para as famílias de policiais militares. Foi lá que Ademir Leopoldo Veridiano, 59 anos, cresceu: ele morou em uma destas casinhas entre os três e os 15 anos. Para Ademir, viver em um local que servira de manicômio e prisão não era incômodo. O grande problema era que, na época, o Cemitério Municipal de Joinville já ganhava ampliações e rodeava o imóvel, fazendo com que os túmulos estivessem "no quintal" de sua infância. Mesmo assim, nunca ouviu uma piada de colegas de escola. 

— O pessoal comentava, mas não fazia zombaria. Joinville era muito pequena e tudo era muito diferente de como é hoje — conta Ademir, responsável por mostrar a Mariana e aos outros pesquisadores onde estão as ruínas da casa atualmente.

Jackson, Fátima e Ademir estarão presentes na palestra que ocorre hoje à noite, no Arquivo Histórico, onde outras histórias sobre o local serão contadas. A exposição fotográfica continua aberta até o fim de junho, no horário de atendimento do Arquivo, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Agende-se:

O QUÊ:
palestra Memórias da loucura em Joinville: a existência do Abrigo Municipal de Alienados Oscar Schneider (1923-1942), com Mariana Zabot Pasqualotto.
QUANDO: hoje, às 19 horas. Às 18h30, haverá visita guiada pela exposição.
ONDE: Arquivo Histórico de Joinville (avenida Hermann August Lepper, 650).
QUANTO: gratuito.

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros