Simone Gehrke: Um retrato da vida - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônicas do Anexo15/11/2016 | 08h01

Simone Gehrke: Um retrato da vida

"Diferentemente de como costumamos nos expressar, estamos (e não somos) crianças, adultos ou velhos."

Simone S. Gehrke
Simone S. Gehrke

simoneg@edmlogos.com.br

Outro dia, num anúncio impresso de uma revista semanal, deparei com uma imagem singela que diz muito sobre as várias nuances de uma vida. Lado a lado, três mãos, em diferentes estágios da existência; três histórias, com suas sintonias e dissonâncias, desenvolvidas a partir de uma mesma origem.

Uma cena que dispensa explicações, independentemente de etnia, época e lugar. Três dimensões do tempo – presente, passado e futuro – captadas em um único retrato. Supondo um improvável diálogo, comentariam entre si:

– Eu sou você amanhã (ou eu fui você ontem);
– Lembro com saudades do que já vivi (ou aguardo com ansiedade o que ainda espero encontrar pela frente);
– Tenho um amplo universo de possibilidades (ou sou o resultado de umas poucas escolhas e outras tantas renúncias feitas ao longo dos anos).

Mãos que, ao compartilharem uma parcela de suas cargas genéticas, completam-se na construção diária das respectivas trajetórias, por meio da qual formam e guardam sentimentos e impressões a respeito do mundo.

Leia as últimas notícias de Joinville e região. 

Mãos que, ainda muito pequenas, tateiam as formas em busca de novas descobertas; que pouco tempo depois concentram suas energias em aprendizados; mãos que, já bem formadas e encorpadas, exercem as habilidades desenvolvidas ao longo de muitas horas de treino e dedicação; mãos calejadas, que esbanjam sabedoria e clamam por atenção e ajuda; mãos de todos os tamanhos, que acodem, ensinam, afagam, orientam... ao mesmo tempo que sinalizam nossa condição de eternos passageiros.

Sim, porque, diferentemente de como costumamos nos expressar, estamos (e não somos) crianças, adultos ou velhos. E as mãos, sempre elas, com suas formas, com sua aparência e com o cuidado com que foram tratadas (ou com a falta dele) são o que melhor reflete o quanto de esforço nos foi necessário para o tanto da experiência que acumulamos.

Mãos que reforçam nossas muitas semelhanças enquanto seres humanos, ao mesmo tempo que também trazem evidências de nossas pequenas diferenças – aquelas que fazem de cada um de nós indivíduos tão singulares. Mãos capazes de promover a paz ou incitar a discórdia; oferecer ajuda ou negar consolo; ser instrumento do bem ou agente do mal.

Mãos que tudo podem, mas não têm vontade própria: só colocam em prática os melhores e os piores desígnios recebidos de nós.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Crônicas do Anexo  25/01/2016 | 07h45

Ana Ribas: Três anos de impunidade

Não imaginava a extensão daquela tragédia que nos roubou, impunemente, 242 jovens e feriu quase 700.

Crônicas do Anexo  22/01/2016 | 07h41

Jura Arruda: Dignidade e eleição

Do berço, veio a pele escura e indigna. Do berço, herdei fome e futuro incerto. Quem aqui nasceu digno de vida fácil? Ninguém, não, senhor

Crônicas do Anexo  21/01/2016 | 07h39

Joel Gehlen: Ler e escrever

Trabalhar é uma dádiva quando o que se faz é ler e escrever. Especialmente para quem nasceu lá naqueles fundões

Crônicas do Anexo  20/01/2016 | 07h52

Carlos Adauto: Humor maçônico

Apesar da seriedade das sessões, contando com mais de 500 irmãos de todos os graus acima do mestre, sempre havia uma gaiatice

 
 

Siga A Notícia no Twitter

Mais sobre

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros