Carlos Adauto: Suíte vitoriosa do "Balaio Gigante" - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônicas do Anexo 23/11/2016 | 18h53

Carlos Adauto: Suíte vitoriosa do "Balaio Gigante"

"O Balaio Gigante me deu motivação para recomendá-lo pela sua excelência e, até, para disputar prêmios literários, inclusive o cobiçado Jabuti."

Mantínhamos, Marcia e eu, uma amizade leve, sem suspeita, com Nelci Seibel, que se solidificou em São Francisco, em eventos, quando criamos o Hotel Porto de Paz e a reencontramos fazendo pesquisas sobre o casario histórico da "mais fotogênica ilha do Brasil" e a história do seu movimentado porto na Babitonga. O grande empresário e extraordinário músico dr. Rudi Beckhauser aproximou-nos mais, quando nos convidou os três para sermos acadêmicos da Academia de Letras e Artes de São Francisco do Sul (Alasfs) e seus fundadores.

Nos inúmeros encontros da Alasfs, pudemos conhecer-nos melhor, descobrindo uma extraordinária personalidade, que camuflava projetos culturais por sua modéstia, quando se os abordava. No instante em que fui alertado pelo dr. Paulo Roberto Silva, fiel escudeiro, de que era o presidente da Academia Joinville de Letras (AJL), em virtude da nunca demais lamentada morte de Adolpho Bernardo Schneider, seu fundador e presidente, convidei, imediatamente, Nelci Seibel para ser, também, acadêmica da AJL, no que se distinguiu como sua organizadora de eventos, demonstrando raro conhecimento de protocolo inicialmente e, posteriormente, surpreendendo com seus escritos a partir do discurso de posse na AJL. E na sua crônica televisiva Volta ao Mundo. Foi seu discurso de posse que me chamou a atenção e me obrigou a lhe sugerir que o transformasse em uma crônica familiar, com retratação sociológica da colonização alemã no interior do Rio Grande do Sul.

Confira notícias de Joinville e região.

Em silêncio, ela já a vinha escrevendo e, para regozijo nosso e glória da AJL, reuniu-as em excelente livro, destes cuja leitura a gente fica amando página por página, com a impressão de ser personagem também. Ou ter sido personagem da sua suíte. O Balaio Gigante, para mim foi isto e me deu motivação para recomendá-lo pela sua excelência e, até, para disputar prêmios literários, inclusive o cobiçado Jabuti. Ou para gozar um finíssimo humor nos títulos capitulares! De há muito a literatura brasileira não tinha uma obra par desta, redigida com tanto talento sobre a saga de sua própria família como o soube fazer a vitoriosa autora e confreira Nelci Seibel. Obra limpa e pura sobre a epopeia de uma família feliz, mesmo na saudosa era analógica.

A NOTÍCIA

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros