Simone Gehrke: As regras - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônicas do Anexo04/10/2016 | 08h01

Simone Gehrke: As regras

"Não era de hoje que já estava cansada de ter hora para tudo: para acordar, para comer, para fazer tarefa, para tomar banho. E, agora, até para sorrir."

Simone S. Gehrke
Simone S. Gehrke

simoneg@edmlogos.com.br

As histórias de elevador têm pelo menos uma coisa em comum: na maioria das vezes, começam e terminam pelo meio, abrindo espaço para o livre pensar sobre suas origens e seu eventual desfecho, independentemente das razões e do destino dos seus protagonistas.

Quando a porta se abriu, no segundo andar, vi a menina, uma estudante do primeiro ano do ensino fundamental, implorando pela interferência do pai, sem que eu pudesse entender, em princípio, qual era o motivo.

– Se você pedir, ela deixa – choramingou a menina.

– Não adianta, minha filha – disse o pai, com pouca paciência. – Essas são as regras da escola.

A menina estava inconformada.

– Mas pai, se não estiver rindo – não sou eu, não é?

– Você precisa entender que não pode sorrir na foto.

O pai silenciou, não sei se em busca de um argumento que soasse mais convincente (e que parecia não encontrar entre as ideias disponíveis naquele momento) ou no aguardo de que a passagem do tempo fizesse o favor de distrair a filha com algum outro interesse que a levasse a se esquecer do pleito inglório.

A menina também calou-se. Mas seu olhar desconfiado, longe de desistir da questão levantada, transparecia a dificuldade em compreender a lógica do mundo. O irmão pequeno, que agora arriscava os primeiros passos, não era sempre estimulado a sorrir para qualquer um que lhe fizesse graça? Ela presenciava isso todos os dias, desde que o bebê chegara em casa.

Leia as últimas notícias de Joinville e região. 

E não era só isso. A mãe fizera questão de registrar no álbum do bebê o dia, a hora e as testemunhas de seu primeiro sorriso. Desde então, não economizava fotos (que depois se espalhavam em porta-retratos pela casa) cada vez que o neném encontrava uma maneira diferente de expressar sua felicidade.

– É tão bonitinho – repetia sempre.

– Pois é, mas depois que cresce deixa de ser – concluiu a menina, encolhida em um dos cantos do elevador. Não era de hoje que já estava cansada de ter hora para tudo: para acordar, para comer, para fazer tarefa, para tomar banho. E, agora, até para sorrir.
Olhou o pai de baixo para cima, achando-o tão comprido quanto triste.

Atribuiu a situação pouco animadora à mesma causa de seu desgosto: as malditas regras, que se já atrapalhavam as crianças médias, como ela, deviam ser ainda mais malvadas com os adultos.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Crônicas do Anexo  25/01/2016 | 07h45

Ana Ribas: Três anos de impunidade

Não imaginava a extensão daquela tragédia que nos roubou, impunemente, 242 jovens e feriu quase 700.

Crônicas do Anexo  22/01/2016 | 07h41

Jura Arruda: Dignidade e eleição

Do berço, veio a pele escura e indigna. Do berço, herdei fome e futuro incerto. Quem aqui nasceu digno de vida fácil? Ninguém, não, senhor

Crônicas do Anexo  21/01/2016 | 07h39

Joel Gehlen: Ler e escrever

Trabalhar é uma dádiva quando o que se faz é ler e escrever. Especialmente para quem nasceu lá naqueles fundões

Crônicas do Anexo  20/01/2016 | 07h52

Carlos Adauto: Humor maçônico

Apesar da seriedade das sessões, contando com mais de 500 irmãos de todos os graus acima do mestre, sempre havia uma gaiatice

 
 

Siga A Notícia no Twitter

Mais sobre

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros