Jura Arruda: Pura sorte - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônicas do Anexo 07/10/2016 | 08h01

Jura Arruda: Pura sorte

"Quem dita a centena é o Sábato, italiano de fala contida, acredite. O Sábato chegou ao bairro há pouco tempo e já ganhou o prêmio sete vezes"

O Bar do Carlinho fica na esquina de duas ruas que nada têm de comum. Uma, lateral de pouco movimento; outra, avenida importante da cidade. O cheiro de óleo velho é mais sentido na avenida, porque é para lá que está virada a cozinha e é para lá que a fumaça das frituras costuma ir. Na porta que dá para a pequena rua, o Carlinho colocou uma pequena mesa de madeira onde Cidão mal cabe, mas não reclama. Porque é aquela mesinha que lhe permite ganhar o sustento. Sobre ela, o homem de aparência latina aponta jogo do bicho. Sua caneta envelhecida de tanto trabalho faz anotações sobre um bloco manchado de azul-carimbo, pelo manuseio de um surrado papel-estêncil.
 
Quem dita a centena é o Sábato, italiano de fala contida, acredite. O Sábato chegou ao bairro há pouco tempo e já ganhou o prêmio sete vezes, isso tem deixado Cidão intrigado. Sete, três, seis, do primeiro ao quinto, Cidão. Os números são anotados, o horário do jogo também. Sábato arranca do bolso umas notas amassadas e entrega.
Assim que o italiano sai, Cidão fecha o bloco e fica pensando numa maneira de usufruir dos palpites do cliente.

– Quer ver que ele vai ganhar de novo, Carlinho! – grita em direção ao balcão do bar, onde o dono organiza umas coxinhas ainda fumegantes na estufa.

– Certeza.

– Eu queria ter essa sorte.

– Joga os mesmos números, ué!

– Não é ético – responde Cidão, parecendo bastante ético.

– Você que sabe.

Leia mais notícias de Joinville e região.

No dia seguinte, Sábato vai buscar seu prêmio. Pega o dinheiro que veio envolvido em um saco plástico, grampeado três vezes.

– Qual o palpite para hoje?

Sábato coça a ponta da orelha e diz:

– Tô achando que vai dar 020, mas... – o italiano abre o saquinho e tira umas moedas – joga no 385.

– Mas você falou em 020.

– Eu sei.

Sábato sai e Cidão não tem dúvidas, anota 020 no papel e deposita umas notas como pagamento.

O resultado não podia ser diferente: 020 na cabeça. No segundo prêmio deu 385. Sábato vai buscar seu prêmio e sorri com a felicidade muito ética de Cidão.

– Obrigado, Sábato.

– Pura sorte, Cidão. Pura sorte.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Crônicas do Anexo  14/01/2016 | 08h12

Joel Gehlen: O ciclista, Bowie e o infante

Andaria até o sol se pôr, tocando alto a guitarra que tinha dentes nas cordas. Mas como não pôde adivinhar a dor daquele dia perfeito?

 
 

Siga A Notícia no Twitter

Mais sobre

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros