Jura Arruda: O canto de Mazilda - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Versão mobile

Crônicas do Anexo 14/10/2016 | 08h01

Jura Arruda: O canto de Mazilda

"Aos 73 anos, Mazilda descobriu que não precisa de autorização de ninguém e voltou a soltar a voz. Do primeiro andar de onde mora, sua voz ecoou rua afora. O repertório era variado e infinito."

Era comum Mazilda receber convites para festas. Porque seu jeito espontâneo e seu riso fácil a tornavam pessoa agradável. Porque a afinação de sua voz, aliada ao dedilhado de um amigo no violão, fazia dos encontros momentos de deleite musical. Ia de Dolores Duran a Ângela Maria, cheia de estilo próprio, acrescentando falsetes que, de leve, lembravam o timbre de Janes Joplin. Seus quinze anos permitiam o sonho e a fantasia. Quando não estava em festas, cantarolava lavando louça, ora ostentando o frasco de detergente como microfone, ora oferecendo o olhar e a música ao vaso de arnica-do-mato colocado à janela.

Das festas entre amigos, passou a frequentar e animar bailes. Não muitos, porque o pai dizia que não era coisa de moça direita. Bem, ele não era tão sutil. Não foram poucas as vezes que Mazilda ouviu gritos e tremeu: "Sua cadelinha!"; "Isso é coisa de vagabunda!". Nos dias de bebedeira, era pior. Os bailes viraram recordação e mesmo a cantoria na pia diminuiu. Detergente deixou de ser microfone e a arnica-do-mato sofria silêncios. O tempo passou e a menina cresceu. A vida caminhou ordinária, os sonhos de palco deram lugar aos sonhos de altar.

Casou no civil. Foi esposa, foi mãe, foi porto seguro.

Certo dia, entre um prato e uma xícara, voltou a cantar. Passarinho solto, cantava a programação do rádio, em dueto com os mais renomados cantores da época. Mas o marido também não apreciava a música que exalava de Mazilda. Sua maneira de demonstrar era o escárnio. Ela silenciou mais uma vez.

Leia mais notícias de Joinville e região.

Aos 73 anos, Mazilda descobriu que não precisa de autorização de ninguém e voltou a soltar a voz. Do primeiro andar de onde mora, sua voz ecoou rua afora. O repertório era variado e infinito.

Ontem, próximo à janela, percebeu que na rua havia um casal, recostado no carro, observando sua cantoria. Após uma breve hesitação, retomou o canto, soltou a voz e viu que o casal sorria num terno abraço. Voltou a ser a Mazilda dos palcos, dos bailes, dos sonhos. Aos 73 anos.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Crônicas do Anexo  14/01/2016 | 08h12

Joel Gehlen: O ciclista, Bowie e o infante

Andaria até o sol se pôr, tocando alto a guitarra que tinha dentes nas cordas. Mas como não pôde adivinhar a dor daquele dia perfeito?

 
 

Siga A Notícia no Twitter

Mais sobre

  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros