Chuvas e cupins travam batalha com a entidade que procura conservar o legado de Schwanke na úmida Joinville - Anexo - Cultura e Variedades - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

10 anos do Instituto Schwanke22/10/2013 | 07h01

Chuvas e cupins travam batalha com a entidade que procura conservar o legado de Schwanke na úmida Joinville

O artista participou de aproximadamente 130 exposições. Nos 23 anos de atividade, a média é de cinco mostras anuais

Chuvas e cupins travam batalha com a entidade que procura conservar o legado de Schwanke na úmida Joinville Salmo Duarte/Agencia RBS
O acervo do artista tem quase 5 mil trabalhos Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Desenhos, pinturas, instalações com luz, esculturas e telas a óleo. A diversidade da produção e o talento para pensar criativamente foram fatores que levaram Luiz Henrique Schwanke a expor em mais de 130 mostras ao longo dos 41 anos que viveu.

Seu acervo conta com quase 5 mil obras e luta, por meio do instituto que carrega o nome do artista, para permanecer conservado. Sem um museu de arte contemporânea para abrigá-las, no entanto, muitas criações estão guardadas em um depósito, longe das condições ideiais para preservá-las.

A umidade típica de Joinville, os fungos e os cupins são os principais inimigos da arte de Schwanke. Mas metade do seu acervo, ao menos, passou por limpeza mecânica e acondicionamento, em 2010, na mapoteca montada sobre a loja Brasilauto, pertencente à família do artista – onde, desde então, funciona provisoriamente o instituto.

Com recursos da Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, a entidade pôde contratar três restauradoras para catalogar e recuperar aproximadamente 2.500 desenhos e pinturas sobre papel. Na sala localizada na rua Dr. João Colin, no América, a temperatura e a umidade relativa do ar são monitoradas e controladas.

Porém, é importante lembrar que algumas criações nascem para serem efêmeras. Maria Regina Schwanke, irmã do artista plástico, alerta para esse fato e diz que é preciso conhecer muito bem a obra do artista para avaliar essa condição.

— Suas instalações de luz e trabalhos com plástico foram desmontados e estão no depósito. Se um dia quisermos recriá-las, no entanto, precisaremos adquirir novos materiais idênticos porque os originais estão deteriorados.

É o caso, por exemplo, dos baldes pretos e vermelhos que, certa manhã de 1989, acordaram na praça da Bandeira em formato de intervenção urbana. O mesmo para o Cubo de Luz – Antinomia, apresentado na 21ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1991. Schwanke deixou um projeto de engenharia que permite a reconstrução da obra. Não é à toa que muitos artistas joinvilenses, inspirados pelo pensamento de seu conterrâneo, passaram a pensar na arte como um presente para a posteridade.

Clique aqui e confira a página especial criada para a série, com linha do tempo, vídeos e galerias de imagens.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

10 anos do Instituto Schwanke 21/10/2013 | 07h02

Museu de Arte Contemporânea espera construção da sede oficial em Joinville

O espaço deve abrigar as obras de Luiz Henrique Schwanke, além de receber exposições itinerantes

10 anos do Instituto Schwanke 21/10/2013 | 07h01

Anexo publica série de reportagens sobre dez anos do Instituto Schwanke

Matérias apresentam os planos da entidade que tenta construir um museu de arte contemporânea em Joinville e a importância do artista que é o pai da arte conceitual em Santa Catarina

 

Siga A Notícia no Twitter

A Notícia
Busca